MULTIPLICAÇÃO SOCIOEDUCATIVA DA FORMAÇÃO SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL (6 a 12 anos)

Como proposta continuada da formação que as/os trabalhadoras/es do Circo Escola Grajaú – CEDECA Interlagos estão realizando no Instituto Criança é Vida, no dia 16 de agosto foi realizado a oficina socioeducativa sobre Educação Sexual pelo educador Igor e a gerente Elaine para crianças do Circo Escola Grajaú de 6 a 11 anos.

Para as crianças o segundo encontro teve como temática: “Muitas Mudanças – Puberdade’’, atividade que foi realizada de forma lúdica por meio de cartazes e exploração com absorvente descartável realizada por meninas e meninos.

O módulo teve como objetivo trabalhar as mudanças ocorridas no corpo das crianças/adolescentes durante a puberdade (nascimento de pelos nas regiões pubiana e axilas, primeiros pelos da barba ou bigode, inicio da menstruação, crescimento das mamas, etc). 

 

 

OFICINA DE TEATRO

No mês de agosto as crianças e adolescentes do Circo retomaram as atividades teatrais realizando jogos que trabalham o foco, a atenção, agilidade, disciplina e trabalho em grupo. As oficinas foram realizadas de modo a fazer um paralelo com a cena, “qual é a hora de falar? Qual é a hora de ouvir? Quais são as coisas que devemos prestar atenção? Consigo fazer duas coisas ao mesmo tempo?”.

As crianças e adolescentes realizaram também jogos específicos para atuação, divisão de “palco-público”, onde se pretende que as crianças entendam os objetivos das oficinas realizando as atividades na prática e observando a/o outra/o colega, de modo a se dividir em duplas, pequenos grupos, ou até mesmo metade da sala, e priorizando a questão do olhar para a/o outra/o.

Nos dias de muito calor, aproveitamos para fazer as atividades ao ar livre, onde as crianças podiam criar suas cenas em lugares diferentes do Circo, para além da sala de teatro, além de promover experiências teatrais entre as/os educandas/os.

 

Para além das oficinas de teatro, no último final de semana do mês de agosto, as adolescentes foram ao Centro Cultural de São Paulo assistir a peça “A Princesa e a Costureira” baseada no livro infantil de Janaina Leslão, que aborda temas que são pertinentes a vivência dessas adolescentes, como: questões de gênero (machismo), homossexualidade, luta de classes e questões raciais, tendo sido o livro trabalhado no primeiro semestre desse ano com as/os educandas/os.
Os processos de observação e identificação das adolescentes ao ver um peça “profissional” colabora para o reconhecimento das questões discutidas diariamente no Circo Escola Grajaú, além da exemplificação do uso do teatro para tratar de questões que são sociais.

 OFICINA DE GRAFITE

Em continuação as discussões realizadas com as/os educandas/os da oficina de grafite do Circo Escola sobre as ocupações de moradia e do processo de desenvolvimento de desenhos que seriam feitos em atividade externa, as/os educandos realizaram uma visita à comunidade Auto da Alegria – região que no final do ano passado sofreu uma ação de reintegração de posse.

Através da mediação realizada pelo educador de grafite, as/os educandas/os realizaram uma intervenção artística em uma parede localizada numa região da comunidade onde as casas foram demolidas, sobrando assim apenas um terreno cheio de entulho.

Nas discussões realizadas nas oficinas em relação a necessidade de ocupar e nos contextos que cercam essa questão, inicialmente não houve interesse por parte das/os educandas/os, inclusive as/os que residem em bairros que cresceram a partir de ocupações passadas. A visita à ocupação Auto da Alegria veio de encontro ao inicial desinteresse das/os educandas/os sobre a questão, tornando a questão mais palpável.

  “Aproveitamos a vivência realizada na ocupação para discutirmos o motivo de a população preta e todas/os que se encontram em estado de pobreza residir nas regiões periféricas. Com desenho e uma linguagem simples retomamos o assunto da situação do povo preto após a ‘Abolição’.   (…)

Para fechar o ciclo do mês de Agosto, montamos com tatames cedidos pelos educadores de circo, uma parede para as/os educandas/os desenvolverem seus traços.

A ideia é que elas/es exerçam autonomia na criação dos desenhos e assim continuarmos as intervenções nos bairros.”

*Conteúdo organizado a partir dos relatórios das/os educadoras/es e técnicos do Circo Escola Grajaú.
Em ordem de escrita: relatório da gestora e educador de malabares, educadora de teatro e educador de grafite.