No The Intercept Brasil

Apesar de apresentarem melhores desempenhos em educação e longevidade, as mulheres ainda possuem uma renda significativamente mais baixa que os homens no Brasil. A desigualdade de gênero e a falta do empoderamento das mulheres representam os grandes desafio ao progresso do Brasil em todas as regiões e grupos analisados, segundo o “Relatório de Desenvolvimento Humano 2016: Desenvolvimento Humano para todos” apresentado nesta terça-feira (21) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O foco do relatório, elaborado em 2016 com dados de 2015, é o empoderamento feminino e atuação nos principais grupos sociais excluídos do desenvolvimento humano, entre eles as mulheres, índios, jovens e crianças, LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Intersexuais).

Para medir a desigualdade de gênero, a agência da ONU traz dois índices. O Índice de Desenvolvimento do Gênero (IDvG) é composto pelos mesmos indicadores do IDH (saúde, conhecimento e padrão de vida), mas dividido por gênero e, assim como o IDH, quanto mais próximo de 1, melhor o desempenho. Ele mostra que o IDH das mulheres brasileiras (0,754) é  superior ao dos homens no país (0,751), porque elas possuem mais anos de escolaridade e de expectativa de vida. No entanto, a renda per capita anual estimada das mulheres é USD 10.672 contra USD 17.672 dos homens.

O segundo indicador é o Índice de Desigualdade de Gênero (IDgG), que avalia desigualdades em três dimensões sensíveis à questão de gênero: saúde reprodutiva, empoderamento e atividade econômica. Ainda que a taxa de mortalidade materna no Brasil (44 por 100 mil) seja significativamente inferior à média mundial (216 por 100 mil), outros componentes do índice fazem com que o país fique na posição 92 em um ranking de 159 países onde o índice foi calculado.

A taxa de gravidez na adolescência no Brasil, por exemplo, é de 67 nascimentos para cada mil mulheres entre 15 e 19 anos, enquanto a média mundial é de 44.7. Já os assentos no parlamento ocupados por mulheres colocam o Brasil num patamar bem vergonhoso. Por aqui, são apenas 10,8%, e até o país com menor IDH do mundo, a República Centro-Africana, tem mais mulheres no Congresso (12,5% das cadeiras).

“As reformas (Previdenciária, Trabalhista e Tributária) parecem necessárias para que o sistema seja mais justo, têm pontos importantes, mas é preciso ter um olhar atento para que as mulheres, agricultores e pessoas em maior vulnerabilidade social não sejam penalizados e que esses grupos não percam direitos adquiridos e conquistados no Brasil”, disse Andrea Bonzon, coordenadora nacional do PNUD.

Para Margorei Chaves, doutoranda em Política Social pela Universidade de Brasília e pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, vivemos numa sociedade patriarcal porque as mulheres ainda são desvalorizadas. “Na sociedade capitalista moderna, houve aumento dos espaços de trabalho, mas veio acompanhada de uma extensa precarização do trabalho. O aumento do acesso não significou maior equidade entre trabalhadores e trabalhadoras, predominando a presença feminina em ocupações precárias e que dificulta o acesso ao topo das carreiras”, pontuou.

IDH estagnado

O Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil está estagnado desde 2014, segundo o relatório apresentado hoje, em 0,754. O país também segue na posição 79 do ranking de 188 países avaliados. Neste ano, a colocação é compartilhada com Granada, ilha caribenha. Na América do Sul, o Brasil é o 5º país com maior IDH, ficando atrás do Chile, Argentina, Uruguai e Venezuela.

Apesar da estagnação do IDH do Brasil em 2015, o país está levemente acima da média regional da América Latina e Caribe, de 0,751. No gráfico abaixo são apresentadas as tendências do IDH entre 1990 e 2015 para os países da América do Sul. Nota-se que o Brasil apresenta crescimento contínuo, estagnando no ano recente, com aumento mais marcado por volta dos anos 2012 a 2014.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)

Segundo Niky Fabiancic, coordenador residente do PNUD, as informações divulgadas no relatório são essenciais para avaliar nosso processo de desenvolvimento: “Entendemos também que, no cenário brasileiro atual, muitos assuntos são urgentes, como a questão da pobreza, do desemprego e do crescimento econômico. Além disso, estamos atentos às propostas de reformas do ensino médio, da previdência, trabalhista e tributária”.