No Agora São Paulo

As 208.463 crianças de até seis anos fora da rede municipal e em situação de vulnerabilidade social que agora também fazem parte do programa Leve Leite da Prefeitura de São Paulo, da gestão João Doria (PSDB), só vão receber o alimento a partir do segundo semestre deste ano.

O decreto com as mudanças no programa foi publicado no ‘Diário Oficial’ no dia 17.

A Secretaria Municipal da Educação, disse que em 120 dias vai editar um novo decreto sobre a distribuição do leite para as crianças que estão na fila da rede municipal –são, no total, 13 mil.

A pasta disse que não pode dar detalhes como o programa vai funcionar para as que não esperam vaga. Nos dois casos, as famílias devem estar cadastradas em programas sociais.

Com as mudanças, não recebem mais o leite os estudantes da rede com mais de seis anos ou as crianças em que as famílias possuem renda salarial superior a R$ 2.811.

O corte aconteceu desde o início do ano letivo.

Resposta

A Secretaria Municipal da Educação, da gestão Doria, disse que a inserção no Leve Leite dos alunos que aguardam vaga na rede municipal, com famílias inscritas no Cadastro Único, deve estar concluída em 120 dias.

Essas crianças representam 13 mil das 208 mil possíveis beneficiadas.

“Esse período é necessário para que seja publicado decreto, portaria que o normatize e eventuais atualizações de dados”, disse.

Por telefone, a pasta disse que não vai entrar em detalhes sobre como vai funcionar o programa no caso das crianças que não estão na fila da creche, mas estão em condição de vulnerabilidade social.