Avaliação é do coordenador da Rede Nossa São Paulo Américo Sampaio, com base em pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência na capital paulista

Na Rede Brasil Atual

Um levantamento realizado pelo Ibope Inteligência em parceria com a Rede Nossa São Paulo mostra que a confiança dos paulistanos em relação às instituições públicas apresentou queda em 10 das 13 avaliadas.

“O que chama atenção neste ano é que chegamos a patamares alarmantes em relação à forma como a população enxerga as instituições públicas”, alerta o coordenador da Rede Nossa São Paulo Américo Sampaio, em entrevista à Rádio Brasil Atual. “Existe uma perda de confiança muito grande nos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. Ninguém está se saindo bem nessa história e de 2013 pra cá se vê uma acentuação dessa perda de confiança.”

Somente 11% dos entrevistados dizem confiar na Câmara Municipal, enquanto 23% demonstram confiança na prefeitura de São Paulo. Mesmo instituições que recebem tratamento em geral “afável” da mídia tradicional, como o Poder Judiciário e o Ministério Público, registram queda acentuada na confiança desde 2013. Naquele ano, 45% dos entrevistados dizia confiar no Judiciário; hoje, o índice chega a 29%. Em relação ao Ministério Público, a queda é ainda maior: saiu de um patamar de 50% em 2013 para 29% agora.

“Se você acompanhasse esse processo de uma forma um pouco otimista, deveria identificar um crescimento da confiança no Ministério Público e no Judiciário como um todo, que foram preponderantes nesse processo de judicialização da política. No entanto, não é isso o que acontece”, destaca Sampaio. “Ou seja, vivemos hoje na cidade e no Brasil um momento bastante perigoso porque o patamar que estamos chegando na confiança nas instituições públicas é um patamar bastante preocupante, é como se a população estivesse colocando em xeque todas as instituições públicas e o próprio funcionamento da democracia.”

A pesquisa ouviu 800 paulistanos de 16 anos ou mais e a margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.