Jovens com pais presos são mais vulneráveis ao tráfico, dizem especialistas

...
LEIA MAIS

UNICEF: Brasil tem 5ª maior taxa de homicídios de crianças e adolescentes do mundo

...
LEIA MAIS

Moeda eleitoral?: Proposta que reduz maioridade penal deve ficar para 2018

...
LEIA MAIS

Especialistas criticam redução da maioridade penal

...
LEIA MAIS

Na descida do escadão: Imaginário, realidade e realidade apresentada

...
LEIA MAIS

Para 79% da população, o Estado tem o dever de reduzir as desigualdades

O estudo também coloca em xeque a tese de que o brasileiro é contra os impostos em qualquer circunstância. Embora a maioria rejeite a elevação de tributos para o conjunto da sociedade, 71% dos entrevistados se declaram favoráveis a aumentar a carga para os “muitos ricos”

Fotografia no Marsilac

Marcha de um ano do incêndio da E.E. Renata Menezes

Cantinho do CEU (Grafite na Quadra do Paquistão)

Ocupação Aristocrata

Capoeira no Tangará (10/2016)

Oficina de Tranças no Tagará - Projeto RUAS

Projeto RUAS

40993d_ba2aed22f5d144e8802a2af8587ed1121

Iniciativa do CEDECA Interlagos em parceria com a Kindernothilfe (KNH – Brasil), o RUAS – Resistência Urbana e Atitude Social é um projeto de educação e cultura que parte do eixo de Mobilização da organização e pretende enfrentar a violência comunitária, criando espaços de organização coletiva e investindo na formação de grupos de jovens, adolescentes e crianças. A proposta central do RUAS é contribuir para que elas e eles discutam a realidade local e proponham ações de intervenção social em conjunto com outros bairros e parceiras/os.

RUAS  como metodologia

A RUA é o local onde estão as manifestações sociais as quais nos habituamos no cotidiano. Trata-se de um espaço no qual as relações sociais e potenciais transformadores são apresentados, e onde injustiças e desigualdades sociais são mais evidentes e aparentes. A RUA é vista por muitos como espaço em potencial para o perigo, lugar onde não se produz, onde está presente a vadiagem, a baderna e a contravenção. O esquecimento e ausência do poder público contribuem ainda mais para esta visão, já que faltam serviços públicos nas ruas da cidade, especialmente, aqueles que atendem a população da periferia.

Ao mesmo tempo em que a RUA nos remete a visões negativas do espaço coletivo, ela também serve de palco para as transformações sociais. E é neste palco para transformações que o caráter de resistência urbana do Projeto RUAS se encontra. Presente já em seu nome, a resistência urbana se dá em todas as etapas do projeto, já que as ações se afirmam como focos de resistência de segregação da juventude. Assim, no centro do projeto está a construção de uma resistência social nos locais em que mecanismos opressivos atuam.

Neste sentido, a RUA passa a ser palco do contexto social em que vivemos. E a transformação desse espaço passa necessariamente plea possibilidade de mudar a forma de olhar e intervir no mesmo. A partir dessa construção podemos observar que a RUA ora apresentada como o espaço das injustiças é (re)significada e passa a ter seu potencial construtivo e participativo reconhecido pelos adolescentes, que passam a encará-la como um espaço de luta e resistência social.

Desde Julho de 2015, o Projeto RUAS (CEDECA Interlagos) tem se inserido nas comunidades do Grajaú e Parelheiros, organizando ações que pautam a Defesa de Direitos de Criança e Adolescentes, foram realizadas diversas articulações, conversas com os moradores, grupos organizados, movimentos e escolas. Todo o processo se consolidou a partir de três fases do projeto.

Atuação

Desde julho de 2015, o Projeto RUAS se insere em comunidades do Grajaú e Parelheiros (Extremo Sul de São Paulo) para pautar ações na defesa dos direitos de crianças e adolescentes. E, desde setembro de 2016, promove oficinas de Arte e Mídia, Cultura Popular e Capoeira, encontros e eventos em nove sete territórios da região (entre ruas e escolas): Jardim Tangará, EE Loteamento Gaivotas III, Jardim da União, EE Tancredo Neves, Porto Seguro (Cantinho do Céu), CEU Navegantes e Marsilac.

 Contato:  mobilizacao@cedecainter.org.br